quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Norte lidera sensação de insegurança no país, segundo IBGE

Mais de 50% das pessoas se sentem inseguras em sua cidade na região.
Nordeste e Sudeste brasileiros também estão abaixo do índice nacional.

Rosanne D'AgostinoDo G1, em São Paulo

O Norte brasileiro é a região com menores índices de sensação de segurança do país, onde mais de 50% das pessoas não se sentem seguras em sua cidade e quase 30% se dizem inseguras em seu próprio domicílio, segundo dados da Síntese de Indicadores Sociais 2012, divulgados nesta quarta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo aponta que índices do Nordeste e Sudeste também estão abaixo da média nacional.


O IBGE utiliza dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2009) referentes ao tema Vitimização e Justiça para mostrar um retrato da população brasileira em 2012. Segundo a Pnad, mais de 20% das pessoas não se sentiam seguras em seus domicílios.
Sensação de segurança é maior em áreas rurais em relação aos centros urbanos em todas as regiões.

No país, 67,1% das pessoas sentiam-se seguram em seus bairros e 78,6% em seus domicílios. Segundo o estudo, “a sensação de segurança parece aumentar à medida que nos aproximamos das pessoas e ruas conhecidas, próximas aos domicílios”.

A sensação de segurança é maior nas áreas rurais do que nas urbanas, em todos os casos. Nas áreas rurais, diz o IBGE, o percentual de sensação de segurança no domicílio e no bairro é alto. “Talvez pela maioria dos domicílios nessas áreas serem do tipo casa, habitados por famílias conhecidas e, muitas vezes, membros de uma mesma família estendida”, segundo o instituto.

A Região Sul ultrapassou os 80% da população que se sente segura no próprio domicílio e é também a que mostrou os maiores resultados para os bairros (72,6%) e cidades (60,5%). O Piauí apresentou o maior percentual de sensação de segurança para os domicílios (85,4%) e os bairros (80,5%). Tocantins é onde as pessoas se sentem mais seguras em suas cidades (71,8%).
saiba mais
País envelhece, mas população ativa aumenta em dez anos, diz IBGE
Ensino médio público tem 8,6% de estudantes de famílias ricas, diz IBGE
Crianças e jovens apresentam mais excesso que falta de peso, diz IBGE
Apenas 35,8% dos jovens pretos ou pardos estão no ensino superior
20% mais ricos têm 57,7% dos rendimentos totais, aponta IBGE
Menos de 8% dos domicílios no Piauí têm saneamento adequado, diz IBGE
Brasileiros estão demorando mais para chegar ao trabalho, mostra IBGE
Famílias dividem domicílio por motivo financeiro, diz IBGE
Em 10 anos, taxa de formalidade no trabalho cresce de 45,3% para 56%
Em 70% dos casos de violência, mulher conhece agressor
Mulher branca com estudo tem menos filhos, diz IBGE
MTE encontra 2,6 mil trabalhadores em condição análoga à de escravo
Pará lidera insegurança
Na Região Norte, a sensação de segurança nas cidades está abaixo de 50%. Nordeste e Sudeste também apresentaram resultados inferiores à média nacional, de 52,8%. O Pará registrou os percentuais mais baixos nas três categorias: domicílios (64,8%), bairros (49%) e cidades (36,9%).

Priscila, 32 anos, que mora em Belém, diz que não dorme direito desde que sofreu um assalto no último sábado. "Estava tirando o carro da garagem quando percebi que o bagageiro estava aberto. Já na rua, parei o carro e fui fechar o bagageiro. Nesse momento, chegaram dois homens armados, de moto, e anunciaram o assalto”, relata. “Puxaram o meu cordão, pegaram minha bolsa, meu celular e meu relógio novinho, que eu tinha ganhado há três dias de presente do meu marido.”
Quando saio de casa a sensação que eu tenho é que todo mundo que se aproxima de mim vai me assaltar, já fico com o coração acelerado"
Priscila, 32 anos, moradora de Belém

Ela diz que havia sofrido outro assalto em agosto. "Eu, minha mãe e o namorado dela estávamos indo para um casamento e antes paramos em uma farmácia na Avenida Nazaré, esquina com Generalíssimo Deodoro. Três homens armados nos abordaram levaram nossos celulares e o carro. Chamamos a polícia, e meia hora depois o carro foi encontrado na ponte do Barreiro, mas os aparelhos nunca foram encontrados."

“Quando saio de casa a sensação que eu tenho é que todo mundo que se aproxima de mim vai me assaltar, já fico com o coração acelerado. Estou pensando em procurar auxílio de um psicólogo”, afirma ela.

Na Pnad, a Região Norte registrou os maiores percentuais de pessoas de 10
anos ou mais de idade vítimas dos crimes de tentativa de roubo ou furto (7%) e de
roubo (5,6%). Na Região Centro-Oeste, o crime de furto atingiu maior proporção (5,5%).

Para o pesquisador do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA) da Universidade Federal do Pará, Ayala Colares, a sensação de violência sentida pelos moradores de Belém é provocada pelo tráfico de drogas.

"Hoje, Belém exerce papel central no narcotráfico", avalia. "De que forma o tráfico torna a cidade violenta? Através de acertos de contas. Os pequenos furtos também são praticados por pessoas viciadas em drogas, que querem manter o vício. Em nível nacional, se percebe que o tráfico é a origem da violência”, completa.

Segundo dados de 2009 do Ministério da Justiça, as maiores taxas de homicídio estavam em Alagoas e Espírito Santo, mas o Pará tinha um dos maiores índices de latrocínios, perdendo apenas para o Amapá.

Ainda de acordo com a Pnad, a sensação de segurança é muito maior entre a população que se diz parda do que daquela que se diz negra. A maior diferença está na Região Norte, onde 71,6% da população parda diz se sentir segura em sua cidade, contra 4,9% da negra. No Sudeste, esses percentuais são, respectivamente, de 34,6% e 8%; e no Sul, de 17,6% e 3,5%.

“A sociedade ainda não possui sensação de tranquilidade suficiente para ser chamada de segura, comprometendo então a liberdade de locomoção, integridade, entre outros aspectos”, conclui o estudo.

*Colaborou Dominik Giusti, do G1 PA

Fonte: G1.com

Nenhum comentário:

R7 - Notícias do Brasil

Agazeta.Net

Band - Notícias

Band - Esporte

Notícias Bizarras

Click Jogos - Jogos Online